Archive for Junho 2013

Detox digital do cristão


A dependência tecnológica é um dos pecados da atualidade que mais precisam da atenção dos cristãos desta geração. Um veneno silencioso que nos contamina sutilmente. Muitos preferem não ver. Mas é uma das astutas armadilhas contra o cristão menos disciplinado. O problema está longe de ser exclusivo dos cristãos. Conhecido mundialmente como Internet Addiction Disorder (IAD), o problema afeta relacionamentos, atividades profissionais e gera até problemas de saúde, físicos e mentais.

Esse vício já originou algumas estratégias de tratamento conhecidas como detox digital (desintoxicação digital) que vem ganhando força principalmente nos Estados Unidos onde sites como o the digital detox oferecem acampamentos e outras iniciativas de desintoxicação para os viciados em tecnologia. São alternativas interessantes, mas não suficientes para por fim ao problema. Como cristãos, sabemos que apenas força de vontade não é suficiente. É preciso renovar a mente.

"Sei que nada de bom habita em mim, isto é, em minha carne. Porque tenho o desejo de fazer o que é bom, mas não consigo realizá-lo. Pois o que faço não é o bem que desejo, mas o mal que não quero fazer, esse eu continuo fazendo. Ora, se faço o que não quero, já não sou eu quem o faz, mas o pecado que habita em mim". (Romanos 7:18-20)

Para isso, o cristão precisa ser disciplinado. Entender que o vício tecnológico é um problema muito mais prevalente do que possa imaginar e lembrar das sábias palavras de Paulo nos alertando de que tudo o fazemos deve ser para a glória de Deus. "Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus". (1 Coríntios 10:31) E não adianta dizer que usa a internet para evangelizar, enquanto bisbilhota alguém pelo facebook. É preciso equilíbrio, moderação e sabedoria.

Esse vício ganha ainda contornos mais graves quando se manifesta potencializado por uma rede social como o facebook. Um ambiente virtual onde as pessoas se tornam avatares de si mesmas convidando outros para um espetáculo voyeurista em que a realidade é desfocada no terreno das fantasias, dos sonhos e dos desejos. Onde nossos "amigos" se tornam caricaturas projetadas pela vaidade de cada um. Muito cuidado, meu irmão e minha irmã. "O homem honesto é cauteloso em suas amizades, mas o caminho dos ímpios os leva a perder-se". (Provérbios 12:26)

O que prevalece no facebook é o que no mundo há. "Pois tudo o que há no mundo — a cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a ostentação dos bens — não provém do Pai, mas do mundo". (1 João 2:16). Outra tradução fala em soberba da vida, exatamente o que abunda no facebook. Ou seja, a rede social exige muito cuidado e um filtro bem ajustado para a seleção de seus "amigos". "Não vos enganeis: as más conversações corrompem os bons costumes". (1 Coríntios 15:33)



Mas a minha atenção aqui não é demonizar o facebook. Ele também cumpre uma importante função social como canal de comunicação, principalmente para diminuir a distância entre familiares em Estados ou países diferentes. A palavra nos alerta para a necessidade de por à prova todas as coisas para ficar apenas com o que é bom. O fundamental é perceber que tanto as redes socais como as tecnologias que lhe servem de mídia precisam ser colocadas no seu devido lugar. De meros instrumentos ao nosso serviço. Cuidado para não se tornarem escravos delas, lembrando que já nos colocamos como servos e não é possível servir a dois senhores, como diz a palavra.

A tecnologia não é boa e nem ruim. Nosso desafio é perceber quando ela passa a representar mais do que apenas um meio e se torna um fim em si mesma. Quando sua representação passa de um mero objeto para um ídolo, sem o qual não podemos viver. Além de se desintoxicar, é preciso organizar nosso cotidiano para valorizar o que merece nossa atenção: o convívio familiar, o trabalho, o estudo e nosso relacionamento com Deus, por meio da oração e da leitura bíblica. Sem disciplina isso se torna uma missão quase impossível. "Mas esmurro o meu corpo e faço dele meu escravo, para que, depois de ter pregado aos outros, eu mesmo não venha a ser reprovado". (1 Coríntios 9:27)






quarta-feira, 26 de junho de 2013
Posted by Fred Novaes

Pode isso, Arnaldo?

Nem tudo é permitido ou conveniente só porque não é proibido. A afirmação derivada da máxima paulina em 1 Co 6:12 "Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm" é bem apropriada para  discutir um tema relacionado a costumes que sempre é carregado de muita polêmica. Falo sobre o abraço. Sim eu sei; é óbvio que a Bíblia não fala diretamente sobre isso. Mas também sei que a Bíblia ensina muito sobre prudência e sabedoria: "Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto, sede prudentes como as serpentes e simples como as pombas". (Mt 10:16)

Não passa nem perto da minha cabeça dizer que abraçar é pecado. "Pois todas as coisas criadas por Deus são boas, e nada deve ser rejeitado se é recebido com ações de graças; porque pela palavra de Deus e pela oração são santificadas". (1 Timóteo 4:4-5) A questão aqui não é "maldar" as coisas nem inventar normas para os cristãos. Mas o abraço, como contato físico entre homem e mulher, precisa ser percebido por uma ótica que vai além do senso comum desse mundão sodomínico em que vivemos. Não falo aqui em ver maldade onde não tem, prefiro falar em prevenção, pois não confio na carne.

Como homem que busca ser mais espiritual do que carnal, também procuro ver a inocência em todos os meus atos, mas sei que preciso vigiar a cada segundo os meus instintos, sem necessariamente precisar ser legalista nisso. "Tudo é puro para os que são puros, mas para os corrompidos e incrédulos nada é puro; antes tanto a sua mente como a sua consciência estão contaminadas". (Tito 1:15) Mas quem neste "mundão" tem coragem de levantar a primeira pedra e dizer que é puro, alvo mais que a neve? Desprezando a pretensão e a hipocrisia, lembro que este mundo vive sob a lógica da carne e todo cuidado é pouco para não topar com o pé em pedra.

Isso colocado, venho aqui defender um zelo maior no contato físico entre homem e mulher, incluindo os fortuitos abraços. Os cegos por satanás logo dirão: mas que mal pode ter num abraço fraterno, puro e amistoso, que objetiva apenas demonstrar carinho e irmandade? "A maldade está na cabeça das pessoas", vão dizer alguns. Esses devem ser os mesmos que não vêem problema algum em um homem casado viajar a trabalho com outra mulher ou sair para almoçar com uma mulher alheia. "Tudo pelo trabalho", dirão alguns. São esses os "santinhos" que precisam dos pés amarrados em pedras para não serem arrebatados antecipadamente.  


Prefiro não confiar na minha carne e manter uma distância saudável da mulher dos outros."Não deem lugar ao diabo" (Ef 4:27). Para isso, defendo o abraço lateral entre homem e mulher e também evito os tradicionais beijinhos. Nós, cristãos, não precisamos nadar na corrente deste mundo só para não parecer "estranhos" ou algo que o valha.  Sei que algumas igrejas utilizam até a distribuição de abraços nas ruas como estratégia evangelística. Daqui a pouco vão montar barracas de beijinhos nas esquinas. Lembro do exemplo da seita Meninos de Deus que oferecia o sexo com as irmãs como estratégia para ganhar "almas".

É preciso estar atento e forte, como diz a canção secular. Esse mundo é maligno e a nossa mente é uma oficina de maldades. Muitos homens estão aí de plantão só para tirar uma casquinha das irmãs, até na igreja. Como lobos, estão de olho para abater as mais fracas e vulneráveis. Da mesma forma, um sem número de destruidoras de lares estão por aí como a mulher estranha de provérbios atraindo incautos varões que não vigiam. "Cova profunda é a boca das mulheres estranhas". (Provérbios 22:14)

Espero ter contribuído para uma reflexão sem preconceitos sobre esse tema. Não quero invetar moda na igreja. Também não suporto legalismos. Da mesma forma, não vou rejeitar nunca uma demonstração de carinho fraternal dos irmãos. Mas permanecerei atento e vigilante para não deixar os costumes deste mundo serem mais importantes do que a minha percepção sobre as coisas do dia a dia. Também não ficarei como juiz de abraços na rua e na igreja. Nós somos livres! Que isso fique bem claro, sempre!!!! "Foi para a liberdade que Cristo nos libertou. Portanto, permaneçam firmes e não se deixem submeter novamente a um jugo de escravidão". Gálatas 5:1
sexta-feira, 14 de junho de 2013
Posted by Fred Novaes

Cuidado com o beija-flor 2...

Minha última postagem gerou questionamentos interessantes que dão base para uma segunda abordagem sobre o tema das seitas que, por não serem bíblicas, deixam de ser cristãs, mesmo falando em Jesus. Minha reflexão tem amparo na Bíblia, logicamente, e defende o ponto de vista das doutrinas contidas ali. Não posso utilizar de argumentos de interpretação pessoal para temas dessa complexidade.

Quem sou eu para questionar o que está contido na Bíblia, se a base daquilo que creio teve origem exatamente no conteúdo bíblico? Assim é com todas as seitas que se dizem cristãs. Elas extraíram do conhecimento bíblico a raiz para o desenvolvimento de seu ensino. Se falam de Jesus é porque o conheceram pela Bíblia, mesmo tendo desvirtuado completamente o real sentido de seus ensinamentos.

A reflexão começa por aí. Você não tem elementos para questionar o que não conhece ou tem apenas uma noção superficial. As seitas que tentam levar o Jesus do jeito delas vão pelo mesmo caminho. Usam informações genéricas sobre Cristo, mas enveredam por um terreno pantanoso atraídas por um líder que, à semelhança de Satanás, busca trazer para si aquilo que é de Deus. Assim, inventam novos evangelhos que não guardam os princípios fundamentais da doutrina cristã para satisfazer suas ideias e invencionices.

Um dos principais argumentos daqueles que insistem em bradar por independência bíblica para a salvação é o mito da pureza natural que permitiria a alguém sem contato com a cultura cristã alcançar a salvação por meio de seu relacionamento pessoal com Deus. A exemplo de índios que nunca teriam ouvido falar de Jesus. Como se isso fosse realmente possível, uma vez que o Evangelho vem sendo espalhado a toda criatura há mais de 2.000 anos e praticamente não há mais povos isolados.


A primeira doutrina que precisa ser avivada para refutar esse argumento da pureza natural é a da queda da humanidade no Jardim do Éden, por meio de Adão, também conhecida como a doutrina do pecado original. Nela, aprendemos que todos nós nascemos pecadores e precisamos da graça para a salvação.Todos os homens herdaram a natureza humana corrompida pelo pecado de Adão. Sejam brancos, índios ou qualquer outro tipo. Os homens nascem todos com a corrupção da morte espiritual em seus corações, mortos em delitos e pecados quando entram no mundo (Ef: 2.1). Por isso, existe a necessidade de religação.

A única alternativa existente é anular sua natureza carnal e ficar debaixo da graça do Senhor Jesus (caminho, verdade e vida). Graça alcançada pela fé no preço pago por Jesus na cruz. Porque o homem é incapaz de alcançá-la por seus próprios meios. Não há evolução espiritual capaz de tornar o homem uma criatura melhor. Nós somos totalmente dependentes da misericórdia de Deus que enviou seu filho como Senhor daqueles predestinados à salvação. Não adianta um pajé, um monge ou um xamã buscar outro caminho, seja aqui ou na Índia. Todos esses outros caminhos levam a Satanás.

"Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida.
Porque, como pela desobediência de um só homem, muitos foram feitos pecadores, assim pela obediência de um muitos serão feitos justos". (Romanos 5:18-19)

Do mesmo modo, aprendemos em Romanos 1 e 2 que os atributos invisíveis de Deus e seu eterno poder estão disponíveis a todos, independentemente de cultura, o que elimina a presunção de inocência de qualquer criatura. "Pois desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das coisas criadas, de forma que tais homens são indesculpáveis". (Romanos 1:20)

Porque Deus, criador, não é uma entidade que a criatura pode moldar segundo suas próprias expectativas e projeções. Ele é Pai, Senhor, e um justo juiz. Mas, de fato, muitos o confundem com outros deuses. Existe um evangelho da verdade, com porta estreita, único caminho de verdade e vida, com Jesus de ponta a ponta oferecendo a salvação pela graça, a partir da fé.

Mas existem, de fato, outros evangelhos, segundo o espiritismo, segundo o padrinho Sebastião, e outros, que se moldam aos desejos dos homens em determinada época, amparados pela chamado liberalismo teológico, para possibilitar doutrinas que minimizam fundamentos do cristianismo como o conhecimento sobre o céu e o inferno e inventam heresias como reencarnação e contatos com espíritos desencarnados para satisfazer aqueles que preferem fantasias espirituais a adorar e se render ao único digno de adoração.

Isso não é lavagem cerebral. É lavagem espiritual efetuada pelo Espírito Santo naqueles que depositaram sua fé em algo consistente, firmados na esperança deixada no lastro das palavras de Cristo. Podem me chamar de exclusivista radical, mas prefiro a consistência e a solidez de um evangelho com lastro histórico e espiritual do que um devaneio infantil derivado da filosofia, da cultura ou das ciências das religiões que acaba nos levando a uma indesejável apostasia.


Para finalizar, faço uma breve explanação sobre o inferno, que os defensores desses evangelhos inclusivistas dizem ser herança de uma tradição da igreja Católica para incutir o medo nos fiéis na Idade Média. As escrituras são bem claras sobre a doutrina do inferno. Nos quatro evangelhos (Mateus, Marcos, Lucas e João), o próprio Jesus falou sobre o inferno em 15 oportunidades. "Eu, porém, vos mostrarei a quem deveis temer: temei aquele que, depois de matar, tem poder para lançar no inferno. Sim, digo-vos, a esse deveis temer." (Lc 12.5) "Se um dos teus olhos te faz tropeçar, arranca-o e lança-o fora de ti; melhor é entrares na vida com um só dos teus olhos do que, tendo dois, seres lançado no inferno de fogo." (Mt 18.9).

O inferno não é uma invenção de papas ou padres. Antes mesmo de Jesus, o salmista já alertava sobre o castigo daqueles que aborrecem a Deus. "Os perversos serão lançados no inferno, e todas as nações que se esquecem de Deus." (Sl 9.17). Nos Provérbios de Salomão, as referências ao inferno são abundantes. "Os seus pés descem à morte; os seus passos conduzem-na ao inferno." (Pv 5.5). Quem tenta negar essa doutrina está no mínimo mal intencionado. São os mesmos defensores do evangelho da porta larga, onde tudo pode e o ensino precisa se adequar ao ensinado. O fim desses já está determinado:

 "E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras. E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras. E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte. E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo ." (Ap 20.12-15)
segunda-feira, 10 de junho de 2013
Posted by Fred Novaes

Cuidado com o beija-flor...


Pensei muito antes de fazer esta postagem. Não gosto de tomar lugar entre apedrejadores. Nem de cuspir no prato que comi, como diz o adágio popular. Mas não posso omitir de meus leitores (talvez uma ou duas pessoas) a minha experiência com o a seita espírita do Santo Daime, com a qual estive umbilicalmente ligado dos meus 19 aos 28 anos, se não me falha a memória. Minha relutância em falar desta experiência residia no fato de ainda ter amigos visceralmente ligados a essa organização religiosa. Minha intenção aqui não é constrangê-los e nem criar algum tipo de embaraço.

Mas não posso me omitir sobre essa experiência, com a qual não tenho mais nenhum tipo de vínculo. É meu dever de homem resgatado das trevas para a luz. O chamado Santo Daime, como todas as doutrinas espíritas, não pode ser identificado como uma religião cristã. É uma seita ou doutrina, como gostam de dizer, conceitualmente herética. Não tenho dúvida de afirmar que o Jesus que ela cita, como um coadjuvante entre um panteão de divindades e seres espirituais, não é o Cristo bíblico, filho de Deus, único senhor da humanidade, por quem a graça do Espírito Santo foi concedida a todos os seus filhos, a partir do sacrifício expiatório na cruz.

É meu dever de cristão falar isso a todos que seguem esse caminho. Faz parte do meu ide. Sei que, quando entreguei minha vida para Jesus, toda condenação e escrita de dívida foram dissipados na graça derramada pelo sangue de Cristo na cruz. Mas não posso deixar de jogar luz sobre o meu passado nas trevas. "Não participem das obras infrutíferas das trevas; antes, exponham-nas à luz. Porque aquilo que eles fazem em oculto, até mencionar é vergonhoso. Mas, tudo o que é exposto pela luz torna-se visível, pois a luz torna visíveis todas as coisas". (Efésios 5:11-13)

A intenção desta postagem é esclarecer aos desavisados que, como eu, foram levados ao engano por uma cultura popular que se diz cristã, mas que está longe de cumprir aquilo que Jesus nos deixou de ensino e manifestação de poder, testemunhados na Bíblia por apóstolos (de verdade, não esses fakes de hoje) que caminharam com ele na terra.

Meu parâmetro para conhecer Jesus é a Bíblia. Não adianta falar de um Jesus cósmico, no astral ou qualquer outro blá,blá, blá esotérico. A Bíblia não é lugar para o cristo ecumênico de algumas seitas que não o consideram como único caminho para a salvação, 100% homem e 100% Deus, uma das três pessoas da trindade do único Deus, que concedeu a graça da vida eterna a todos os homens por meio do sacrifício expiatório na cruz, há aproximadamente 2.000 anos. Alguns pontos em particular mostram o equívoco teológico dessa doutrina nascida na floresta por um ex-soldado da borracha, que disseminou sua cultura xamânica a partir do Acre, possivelmente bem intencionado. Mas, como o dito popular esclarece, "de boas intenções o inferno está cheio". Vamos a eles:

ORIGEM:
Segundo relatos de contemporâneos do fundador da "doutrina", Raimundo Irineu "recebeu" o ensino da "Rainha Universal", identificada como "Clara" que lhe apareceu durante uma miração (alteração na consciência que acomete os iniciados na ayahuasca), sentada no centro da lua, com uma águia na cabeça. Entidade que depois ele identificou como a "própria" "Nossa Senhora da Conceição". Dela, recebeu o título de Chefe Império Juramidam, entidade que atualmente domina o chamado astral do Daime e que os adeptos consideram como o Cristo da Nova Era, com um novo nome para marcar essa passagem...

REFUTAÇÃO:
Não é preciso muito esforço para enxergar um monte de heresias nessa história. Lamento o fato de muitos não conhecerem a Bíblia e o Jesus verdadeiro, o que veio e irá voltar. O Jesus que não fica por aí pelo "astral" aparecendo e baixando em homens, alguns até bem intencionados, mas que desconhecem quem é o Cristo e sua obra no plano de Deus. Quando o verdadeiro e único Jesus voltar, todo joelho se dobrará e toda língua confessará em arrependimento. Isso não é história da carochinha. "Porque está escrito: " ‘Por mim mesmo jurei’, diz o Senhor, ‘diante de mim todo joelho se dobrará e toda língua confessará que sou Deus’ ". (Romanos 14:11).

NOVO EVANGELHO PARA UMA NOVA ERA:
Os adeptos do Daime acreditam que os hinários recebidos do "astral" são complementos dos Evangelhos de Jesus. Esses hinários são recebidos após a ingestão da bebida e trazem correção, conforto e ensinos da "Mãe Santíssima", de "Jesus", de "Juramidam" e de outras entidades do astral. Eles anunciariam uma "Nova Era".

No site santodaime.com copilei a seguinte heresia:  "O Velho Testamento é a história do povo de Deus. O Novo Testamento é a História de Deus. E os Hinários são a Nova Era, a bem-aventurança prometida por Deus. O Velho Testamento é o Tempo do Pai. O Novo Testamento, o Tempo do Filho e os Hinários, o Tempo da Mãe. É o segredo da Santíssima Trindade: Pai, Mãe e Filho, unidos pelo Espírito Santo. É a base da Doutrina, a Sagrada Família. Portanto, precisamos ter certeza de que estamos na Era de Deus-Mãe".

REFUTAÇÃO:
Em primeiro lugar, a Bíblia é um livro fechado, o cânon bíblico está completo, de Gênesis a Apocalipse. Os livros inspirados, como expressão da Palavra de Deus, que formam o cânon bíblico original, como regra de fé e doutrina, são 39 do Antigo Testamento, e 27 do Novo Testamento, totalizando os 66 livros canônicos, que, como verdades infalíveis e eternas, possuem autoridade final. Eles foram a "única" fonte do conhecimento de Cristo e da Trindade formada pelo Pai, Filho e Espírito Santo. A mãe nunca entrou nessa história. É influência da Igreja Católica para agregar cultos pagãos em determinado momento histórico.

A palavra inspirada de Deus é clara sobre todas as invencionices das seitas: "Porque eu testifico a todo aquele que ouvir as palavras da profecia deste livro que, se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele as pragas que estão escritas neste livro; E, se alguém tirar quaisquer palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte do livro da vida, e da cidade santa, e das coisas que estão escritas neste livro". (Apocalipse 22:18-19)

CONCLUSÃO
O ecumenismo é um câncer no verdadeiro cristianismo. O liberalismo teológico das seitas que tentam moldar Jesus aos seus usos e costumes é um fenômeno que encontra abrigo até mesmo entre os cristãos evangélicos. Os maiores inimigos do cristianismo usam o nome de Jesus de acordo com suas interpretações pessoais. Nesse caldeirão esotérico de seitas como o Santo Daime, Jesus é apenas uma entidade entre dezenas de divindades indígenas e afrobrasileiras. A seita conseguiu o feito de misturar cristianismo, com umbanda, culto de caboquinhos indígenas, cultura xamânica dos ameríndios e a milenar cultura hindu. O resultado é uma salada indigesta que precisa de investigação mais ampla sobre sua verdadeira origem e intenção.

Termino com a sabedoria de Paulo que, por inspiração do Espírito Santo, já prenunciava todo tipo de heresia que seria criada com o nome de Jesus. Não esquecendo que o surgimento deste tipo de fenômeno é mais uma prova que está próxima a segunda vinda de Cristo.

"Admiro-me de que vocês estejam abandonando tão rapidamente aquele que os chamou pela graça de Cristo, para seguirem outro evangelho que, na realidade, não é o evangelho. O que ocorre é que algumas pessoas os estão perturbando, querendo perverter o evangelho de Cristo. Mas ainda que nós ou um anjo do céu pregue um evangelho diferente daquele que lhes pregamos, que seja amaldiçoado! Como já dissemos, agora repito: Se alguém lhes anuncia um evangelho diferente daquele que já receberam, que seja amaldiçoado! Acaso busco eu agora a aprovação dos homens ou a de Deus? Ou estou tentando agradar a homens? Se eu ainda estivesse procurando agradar a homens, não seria servo de Cristo. Irmãos, quero que saibam que o evangelho por mim anunciado não é de origem humana. Não o recebi de pessoa alguma nem me foi ele ensinado; pelo contrário, eu o recebi de Jesus Cristo por revelação". (Gálatas 1:6-12)





segunda-feira, 3 de junho de 2013
Posted by Fred Novaes

seguir pelo e-mail

críticas

populares

curtidas

Tecnologia do Blogger.

- Copyright © adora manaus -Metrominimalist- Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -