Archive for Março 2013

Deus é o pai do rock


Interessante perceber que as discussões sobre o chamado rock cristão têm lastro na história da igreja moderna, mas ainda está longe o estabelecimento de um consenso sobre a questão. Numa pequena pesquisa, verifiquei que o tema ainda ecoa na cabeça de muita gente, principalmente diante do ingresso de outros ritmos na igreja como o axé, o sertanejo e o rap. Mas meu foco hoje é no rock, por favor (rsrsrs). 


Para reflexão dos leitores do blog, trago trechos de um artigo que Keith Green escreveu sobre o tema (possivelmente entre o final dos anos 70 e início dos 80, uma vez que ele morreu em 82). Acho interessante compartilhar com os amigos algumas observações do músico e missionário cristão que vão na essência do debate e não apenas naquela superficial questão ligada à gênese desse estilo musical.

Para início de conversa, uma breve biografia de Green (que pode ser aprofundada nos links em seu nome). O cantor e missionário gravou cinco álbuns cristãos, a maioria deles flertando com o rock e com a música de sua época, entre os anos de 1977 e 1982. Ele percebeu que seu chamado não era para ser apenas um músico gospel e atuou na evangelização de prostitutas, viciados e sem-teto e criou o Last Days Ministries (LDM) que depois se transformou em revista para divulgar ideias de pregadores como Leonard Ravenhill, David Wilkerson e  Charles Finney.

O que me chamou atenção na biografia deste cristão foi o fato de Green sentir-se direcionado por Deus a não mais cobrar dinheiro por suas apresentações e seus discos e lançar a política do “pague o que puder” para financiar seus trabalhos de evangelismo. No cenário de "tudo por dinheiro" da atual gospelândia nacional, esse é um exemplo a ser seguido.

Pois bem, Green deixou claro no seu artigo que não há mal em si no rock e sim no coração e na intenção das pessoas. Num trecho ele afirma: “Se há algo de errado ou mundano em tudo sobre o chamado 'rock cristão', é o espírito de auto-exaltação em muitos dos registros e concertos de hoje”. O cantor utilizou como base de reflexão o texto bíblico de Romanos 14:14: “Como alguém que está no Senhor Jesus, tenho plena convicção de que nenhum alimento é por si mesmo impuro, a não ser para quem assim o considere; para ele é impuro”.

Em outro trecho, ele foi claro sobre aquela afirmação de que o diabo teria sido o pai do rock (rsrsrs). “Eu não acredito que qualquer tipo de música é 'má' em si mesma. Quero dizer que não há coisas como ritmos ou estruturas de acordes e linhas melódicas que nasceram no inferno. A ideia de que o diabo inventou certos estilos de música, para que pudesse capturar as almas inocentes jovens da juventude de hoje, não é apenas sem fundamento, mas é o mesmo tipo de conto ridículo que foi dito aos jovens pela igreja em uma geração atrás - que ‘masturbação pode causar cegueira’. Por que tentar assustar os pobres rapazes pequenos a fazer o que é certo? Por que não lidar com o problema real - o egoísmo!”.



Como ilustração, ele pega uma faca para mostra que um mesmo objeto serve para a morte e para a vida. "Pegue uma faca, por exemplo. Com ele, você pode cortar o pão, esculpir um assado ou você pode fazer mal e até matar alguém. Em outras palavras, você pode ser criativo e produtivo, ou você pode ser destrutivo e assassino. A faca em si, quando colocado num ambiente de criminosos, torna-se uma arma. Mas colocá-lo em uma cozinha, torna-se uma ferramenta útil, até necessário, para a preparação de alimento para sua família".

Green também faz uma comparação entre a dança de Davi e a das pessoas nas discotecas daquela época, enfatizando que não a forma, mas a essência fazia a distinção entre os movimentos corporais. “Não era a dança que era má, ou a música que eles dançaram, mas a atitude e a motivação do seu coração”.

Nas conclusões de seu artigo, Green destaca o que move as pessoas a cantar, dançar ou tocar para Deus. “Eu também quero dizer que sim, eu acredito que o Espírito Santo é entristecido por muito do que está sendo passado hoje como ‘ministério da música’ e ‘música gospel’ - não tanto pela batida ou conteúdo, mas por a falta de compromisso e unção. Acredite em mim, se o seu coração está certo, então a sua música vai ser boa também. Mas se o seu coração está cheio de egoísmo e orgulho, então mesmo se você cantar o hino mais doce, sua música vai levar para morte e não para a vida”.

Ele encerra o texto com o belíssimo texto de Lucas 6:45: “O homem bom tira coisas boas do bom tesouro que está em seu coração, e o homem mau tira coisas más do mal que está em seu coração, porque a sua boca fala do que está cheio o coração”. Que o testemunho desse homem estimule outros nestes tempos modernos a buscarem no Evangelho algo mais do que a satisfação pessoal ou apenas mais um meio para a efervescência de suas vaidades. Numa outra postagem, falarei sobre a sua música e sua contribuição para o mundo cristão. Soli Deo Gloria.
sexta-feira, 22 de março de 2013
Posted by Fred Novaes

Vai pra #%*+@...


A imprensa foi surpreendida com o fato de o técnico Jorginho não chamar “palavrão” nos treinos do time do Flamengo. Surpresa num ambiente onde os palavrões são apenas o menor dos desvios de comportamento. Onde dinheiro, sexo, poder e paixão fazem parte do cartão de visita de boleiros e demais envolvidos com o mundo do futebol.

Ex-jogador de futebol, Jorginho é evangélico há 26 anos e optou por cumprir os vários versículos bíblicos que remetem ao uso indevido das palavras para o cristão: "Agora, porém, despojai-vos, igualmente, de tudo isto: ira, indignação, maldade, maledicência, linguagem obscena do vosso falar". (Col 3:8). Ou esse: "Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, e sim unicamente a que for boa para edificação, conforme a necessidade, e, assim, transmita graça aos que ouvem". (Ef 4:29).

Já fui adepto do palavrão, do ponto de vista linguístico, como um instrumento para prover nosso vocabulário de expressões que traduzem alguns de nossos sentimentos mais exagerados. Como onomatopéias "frasais" utilizadas para retratar mais fidedignamente o desejo de expressar a hipérbole numa comunicação, principalmente oral, com algum interlocutor.

Mas não posso ir contra a palavra em nenhuma ocasião ou por qualquer justificativa. Como já foi dito por outros que retrataram o tema antes de mim, o palavrão geralmente remete a uma imagem sexual. Algo que o cristão precisa limpar de seu mente para que seus olhos reflitam a luz, uma vez que os olhos são a lâmpada do corpo. “Se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo será luminoso; se, porém, os teus olhos forem maus, todo o teu corpo estará em trevas”. (Mt 6:22-23).



Todo este debate tem a ver com o fato de o cristão fazer a diferença num mundo dominado por potestades que dominam os ares e a mente das pessoas sem Cristo. E isso não é um jogo de aparências. Mas porque a essência foi purificada, o testemunho é de um bom proceder. “O homem bom tira coisas boas do bom tesouro que está em seu coração, e o homem mau tira coisas más do mal que está em seu coração, porque a sua boca fala do que está cheio o coração”. (Lc 6:45).

Assim o cristão não deve seguir a moda só para parecer antenado ou fugir da pecha de “careta” (acho que nem usam mais essa expressão, rsrsrsr). Quem anda na graça e tem Jesus como Senhor busca ser o sal, em todo lugar. E faz a diferença por ser um verdadeiro cristão, sem precisar necessariamente parecer. “O sal é bom, mas se deixar de ser salgado, como restaurar o seu sabor? Tenham sal em vocês mesmos e vivam em paz uns com os outros”. (Mc 9:50).

quinta-feira, 21 de março de 2013
Posted by Fred Novaes
Tag :

Lincença para ser ungido



O pastor Marco Feliciano passou o dia retuitando mensagens de apoio que recebeu nessa rede social. Alguns, mais exaltados, já colocavam o deputado como futuro presidente do Brasil. Em mais da metade das mensagens, chavões pentecostais foram tão repetidos quanto grito de gol em jogo do Flamengo (rsrsrs, calma gente, é só uma piada). “Não toque no ungido” pra cá, “Deus é contigo” pra lá, “as portas do inferno não prevalecerão”....

Isso me faz refletir sobre o uso equivocado de alguns termos pela gospelândia. Tomando “posse” (rsrs) do versículo 15 no Salmo 105 (Não toqueis nos meus ungidos, nem maltrateis os meus profetas), muitos gostam de levantar essa palavra como um slogan ameaçador contra qualquer um que venha criticar os chamados “homens de Deus” (geralmente pastores que atraem multidões, muitas vezes apelando para heresias descaradas).

Ledo engano e mais um engodo a ser repetido como uma panacéia mântrica aplicada infinita vezes fora do contexto. Alguns dos maiores e mais conhecidos hereges adoram repetir essa palavra, bíblica é claro, mas que usada fora de contexto passa a ser apenas mais um chavão evangélico. Benny Hinn é um dos que usam esse tipo de ameaça aos críticos. Alguns discípulos de Feliciano tentam incorporar esse discurso tentando lhe colocar num patamar acima das críticas.

Mas o que precisa ser claro é que debaixo da graça todos somos ungidos de Deus a partir do momento em que o Espírito Santo passou a habitar em nós. Os ungidos hoje não são apenas os sacerdotes, reis, pregadores ou cantores gospel. Pela lógica, se um crítico cristão não deve tocar num ungido, esse ungido não deve nem pensar em tocar no crítico (ungido pela fé). Nem ameaçar, usando a Bíblia para isso.



Enfim, digo tudo isso para argumentar que ninguém está isento de críticas por ser evangélico, pregador, cantor ou apologista. O exame de tudo o que os homens fazem em nome de Deus é parte do ser cristão. É parte do processo. Assim como faço eu ao expor minhas opiniões aqui neste espaço. Não estou isento de críticas.  

Ou Paulo não teria deixado essa recomendação expressa: “Já lhes disse por carta que vocês não devem associar-se com pessoas imorais. Com isso não me refiro aos imorais deste mundo, nem aos avarentos, aos ladrões ou aos idólatras. Se assim fosse, vocês precisariam sair deste mundo. Mas agora estou lhes escrevendo que não devem associar-se com qualquer que, dizendo-se irmão, seja imoral, avarento, idólatra, caluniador, alcoólatra ou ladrão. Com tais pessoas vocês nem devem comer. Pois, como haveria eu de julgar os de fora da igreja? Não devem vocês julgar os que estão dentro? Deus julgará os de fora. "Expulsem esse perverso do meio de vocês"”.
(1 Coríntios 5:9-13)    
quarta-feira, 20 de março de 2013
Posted by Fred Novaes

Ativismo gay da presidente



A presidente Dilma deu uma forcinha ao ativismo gay durante visita ao neo papa Francisco, em Roma, na cerimônia de entronização do novo pontífice da Igreja Católica Romana. Em longa conversa ao pé do ouvido, Dilma pediu que o papa compreenda as "opções diferenciadas das pessoas". Depois de elogiar o novo foco da igreja de reavivamento de sua missão espiritual, a presidente levantou a bandeira colorida da agenda gay: "É claro que o mundo pede hoje, além disso, que as opções diferenciadas das pessoas sejam compreendidas".

Essa defesa da presidente mostra que o Estado está longe de ser laico, como pregam os ativistas da diversidade sexual. Ele é laico apenas quando o termo serve para refutar qualquer defesa do Evangelho pelos cristãos evangélicos. Mas é extremamente devoto quando precisa dar uma forcinha para brecar o crescimento da cultura evangélica que faz da Bíblia referencial e padrão de vida para o cristão. Usando para isso até a presidente do país para defender a diversidade e uma religiosidade inclusiva.

Na esteira deste bem engendrado movimento, está a defesa do relativismo moral e do liberalismo teológico que faz coro até entre alguns evangélicos que esperam “bênçãos” neste mundo (leia-se dinheiro mesmo) e por isso defendem um evangelho “mais” humanista (kkkkkk, desculpe, mas não dá pra segurar). A intenção clara é frear o conhecimento das Escrituras Sagradas para, assim, calar qualquer um que se opunha ao pecado que é a base da economia desta sociedade hedonista e liberal.

Quem não tem o Espírito não aceita as coisas que vêm do Espírito de Deus, pois lhe são loucura; e não é capaz de entendê-las, porque elas são discernidas espiritualmente”. (1 Coríntios 2:14)
terça-feira, 19 de março de 2013
Posted by Fred Novaes
Tag : ,

Esquenta a peia!!!


Estou convencido de que os chamados “artistas gospel” estão perdidos nas suas próprias vaidades. Cada vez mais atrelados ao mainstream da indústria da música, esses “levitas” (fala sério, varão, rsrsrsrs) não estão nem um pouco preocupados com o Jesus que citam em algumas canções e priorizam interesses pessoais e/ou financeiros. Nem que para isso precisem destilar heresias na televisão com a maior cara dura, para não desagradar o “grande mestre dos ares” que utiliza essa mídia como principal canal de doutrinação.

Assim fez o Thalles Roberto em sua passagem pelo Esquenta da Regina Case, no último domingo. O cantor preferiu negar o evangelho em rede nacional a contrariar os interesses globais. Incitado pela apresentadora a falar sobre a aceitação da diversidade (principal bandeira de luta desse pessoal), Roberto se apressou em dizer que sempre foi um cara muito aberto (não esquece que a porta é estreita) e que sempre procurou uma igreja que o aceitasse do jeito que ele é.

É cada coisa que a gente é obrigado a ouvir. O evangelho do Senhor não precisa e nem deve se enquadrar às pessoas. Elas é que têm de se curvar a Jesus e aceitá-lo como Senhor de suas vidas para caminharem na graça e serem filhos adotivos de Deus. A igreja não pode usar meios carnais para atrair frequentadores. Assim só vai trazer discípulos carnais para subverter a palavra e induzir a um outro evangelho. Veja abaixo o “testemunho” de Thalles no Esquenta.


Admiro-me de que vocês estejam abandonando tão rapidamente aquele que os chamou pela graça de Cristo, para seguirem outro evangelho que, na realidade, não é o evangelho. O que ocorre é que algumas pessoas os estão perturbando, querendo perverter o evangelho de Cristo”. (Gálatas 1:6-7)

Talvez por isso, Thalles tenha defendido a Sara Nossa Terra, do bispo Rodovalho, como uma igreja que prega a diversidade e defende a tolerância. Tolerância zero para quem se esconde em discursos agradáveis para a maioria e busca navegar a favor da corrente, pelo menos enquanto for boa a grana que tiver entrando. Gente que prega heresias como maldições hereditárias, teologia da prosperidade e confissão positiva.

Numa entrevista para a revista Eclésia, o bispo Rodovalho utilizou os seguintes argumentos para defender a teologia da prosperidade: “Jesus tinha uma roupa tão bonita, tão cara, que os soldados disputaram para ver quem ficaria com ela. Outra coisa, Jesus era acompanhado por mulheres ricas que o serviam. Ele tinha seus doze discípulos e mais um grupo de 20 a 30 pessoas para alimentar diariamente. Quanto custa isso? A casa de Lázaro e outras residências onde ele se hospedava eram de classe média na época, ou até mesmo média-alta. Portanto, eu não consigo enxergar na Bíblia Jesus como uma pessoa paupérrima. Ele viveu como um rabi, que era um mestre. Eu não vejo Jesus pobre, mas vejo que ele demonstrava no seu estilo de vida excelência, tinha uma vida abençoada – multiplicou pães, proveu boa pescaria aos seus discípulos. Como Senhor e Deus, ele tinha acesso às riquezas”.

Precisa dizer mais alguma coisa sobre quem o Thalles segue. Por isso, muito cuidado com o que você anda ouvindo por aí.

Como já dissemos, agora repito: Se alguém lhes anuncia um evangelho diferente daquele que já receberam, que seja amaldiçoado! Acaso busco eu agora a aprovação dos homens ou a de Deus? Ou estou tentando agradar a homens? Se eu ainda estivesse procurando agradar a homens, não seria servo de Cristo”. Gálatas 1:9-10 
segunda-feira, 18 de março de 2013
Posted by Fred Novaes

Banana dos sete abutres


Já deu essa campanha contra o Feliciano na Comissão de Direitos Humanos da Câmara. Os aproveitadores de sempre ficaram que nem pinto no lixo ao desembainhar discursos ululantes para agradar simpatizantes LGTBs. O borrado falando do mal lavado. Depois de ver a Xuxa com discurso moralista, militantes gays raivosos querendo impedir culto em igreja e jornalistas decadentes bebendo na fonte amarga do generalismo, fiquei mais crítico sobre esse movimento e saltei fora dessa onda.

Não quero nadar a favor da corrente e muito menos me misturar com gente que despreza o Evangelho do Senhor e agora ri do infortúnio de um pastor que se perdeu na sua própria vaidade. Feliciano merece crítica?, é claro que sim, mas por suas posturas equivocadas como homem, como político e até como pastor. Mas não por ser evangélico. Nessa salada, muitos aproveitam para sacar pedras contra os cristãos, colocando todos no mesmo barco do Feliciano.

Um exemplo recente veio com a Astrid Fontenelle. Desesperada pela baixa audiência do Saia Justa, no GNT, a jornalista sapecou uma deselegante (rsrsrs) banana para o Marco Feliciano que, independentemente de todas as suas idiossincrasias, é um deputado federal com a representatividade de mais de 200 mil eleitores. Merece respeito como homem e como autoridade, mas a jornalista só pensou no sensacionalismo de seu gesto para a alegria da militância gay. A Bíblia tem palavra para isso em Lucas 17:39: "Onde houver um cadáver, ali se ajuntarão os abutres". O vídeo abaixo mostra a cena ridícula protagonizada pela jornalista.



Outra percepção minha deste episódio está relacionada aos fenômenos da ciência da comunicação. Quando uma mensagem fica cansativa e se esgota em si mesma ela acaba gerando um efeito reverso, invertendo os papéis entre os interlocutores. Assim, o vilão de ontem acaba como vítima e ganha mais do que perde nos excessos de seu rival. Não faltam exemplos disso em campanhas políticas e até em programas apelativos como o BBB da Rede Globo. Não duvido que o Marco Feliciano esteja por aí bravatando aos quatro cantos: falem mal, mas falem de mim!!!
sexta-feira, 15 de março de 2013
Posted by Fred Novaes

Você canta o quê?




Já há algum tempo estou devendo um post sobre o Palavrantiga. Um dos grupos que fogem do estigma de banda gospel e conseguem ultrapassar as fronteiras dos rótulos e das mesmices fazendo um rock sobre o mesmo chão (desculpem o trocadilho) daquelas bandas que se acotovelam na disputa por um VMA da MTV.

O principal diferencial da banda é extravasar conteúdo cristão, sem estereótipos, com uma personalidade única. Poesia e prosa numa linguagem urbana da espiritualidade. Sem cair no lugar comum da adoração extravagante (rsrsrs) ou do triunfalismo confessional.

Para não deixar o leitor às cegas, disponibilizo, abaixo, a faixa título do último CD (lançado no fim do ano passado) como tira-gosto, com trecho da letra, para que se perceba a prosa cheia de nuances e de entrelinhas.




Sobre o mesmo chão

Está o muro
e o lado de lá, que você esqueceu
o meu chão é o mundo

Tem dois lados em guerra
Meu mundo é este chão
Que você cresceu e eu também

Ao redor de muitos
Me apontaram as cercas e os muros
Eu quis o caminho, Roguei pela vida

E vou subvertendo o mundo
Amando a esperança que salta os muros
e brinca arteira com tua criança, a fé 'ta na vida


A banda foi formada oficialmente em 2008 (mas já toca junto desde 2004) e lançou no mesmo ano o primeiro disco do grupo, o EP Palavrantiga - Volume 1 .Considerada a melhor opção de rock alternativo cristão (desculpe o rótulo rsrsrs), a banda já soma, segundo o release em seu site, 30 mil discos vendidos, mais de um milhão e meio de acessos aos sete principais vídeos no Youtube, 170 mil seguidores na rede social Myspace, mais de 45 mil no Twitter (totalizando os perfis da banda e de seus membros) e 40 mil curtidas na fanpage no Facebook.

Em 2010, foi lançado o CD Esperar é Caminhar com a regravação melhor produzida das seis músicas do primeiro CD e mais sete inéditas, com a participação discreta de Thalles Roberto no backing da faixa título. O disco fez um sucesso silencioso e quase invisível no undergroud evangélico, mas arregimentou uma legião de fiéis admiradores do trabalho desses rapazes. Esse CD é quase perfeito para mim, com tantas faixas maravilhosas que fica difícil destacar alguma. Mais não dá pra deixar de citar o grande sucesso de Casa, regravado por Lucas Souza no CD Todos Juntos Com Você, de 2010.

Trago como degustação, a faixa Pensei, com uma variação de ritmo bem interessante, num jeito meio rock`in`bossa que ficou show.



Da poética do primeiro disco, cito a faixa Vem me Socorrer. Disponibilizo o vídeo numa versão acústica tocado pelo vocalista Marcos Almeida:

Não tenho um tom
Não tenho palavras
Não tenho acorde que
Me socorra agora
Tudo foi embora
Só tenho você
...E essa não é mais uma canção de amor
Não, não, não...


Quem quiser mais informações pode buscar no site oficial http://palavrantiga.com/ . Prometo numa segunda postagem trazer uma análise mais apurada de toda a discografia do grupo. Por enquanto, fica essa postagem com gostinho de quero mais, como estímulo para conhecer essa grande banda. Eles também incentivam os ouvintes a ampliar seu conhecimento em faixas como Rookmaaker, jorrando filosofia por todos os lados. Disponibilizo o vídeo de uma versão acústica dessa música. Boa audição para todos:

Eu leio Rookmaaker, você Jean-Paul Sartre
A cidade foi tomada pelos homens
Na cidade dos homens tem gente que consegue ler,
Mas os outros estão néscios pra Ti.

Eu canto Keith Grenn, você canta o quê? 


quinta-feira, 14 de março de 2013
Posted by Fred Novaes

Não tosquenejarás e nem esculacharás...


Não me sento em batente de igreja para discutir traduções da Bíblia. Fujo dessa seara como corro de debates sobre futebol independentemente se meu time perde ou ganha. É sempre um “chover no molhado” com risco de alguém escorregar. Mas fui estimulado a abordar o tema ao pesquisar, sem compromisso, os arcaísmos da tradicional JFA (João Ferreira de Almeida). Nesta empreitada, acabei me deparando com a polêmica http://www.bibliafreestyle.com.br/ que carrega a ousadia de apresentar uma leitura bíblica descolada e descontraída, com foco na cultura pop da geração Y.

A proposta dos autores é trazer leitura bem humorada das Escrituras Sagradas, sem a pretensão de ser uma tradução, mas uma interpretação com o linguajar das ruas. Ousada e destemida, a proposta foi mais defenestrada do que o Marco Feliciano na Comissão de Direitos Humanos. Puro ranzinzismo do povo evangélico. O humor também pode se reverter em uma forma evangelismo, quando a essência e o conteúdo bíblico não são alterados. E com isso atingir muitos que nunca tiveram contato com a palavra da verdade.

O maluco responsável pelo projeto é o pastor da igreja Manifesto, de Uberlândia, Ariovaldo Jr, que entre tatuagens, piercings e outros adereços maloqueiros, leva a palavra principalmente para a juventude. Neste projeto, conta com a ajuda do pastor batista Guilherme Burjack. A meta inicial era terminar o Novo Testamento até Julho de 2013 e o Antigo Testamento até meados de 2014, mas por enquanto terminaram Mateus e ainda caminham para concluir os outros evangelistas.

A polêmica sobre a Bíblia free style é parte de uma discussão que vem desde o lançamento das traduções NVI e NTLH nos anos 90 quando os mais tradicionais iniciaram uma campanha para demonizar textos bíblicos que adotaram uma linguagem mais atual. Como disse Guilherme no seu manifesto, “a Palavra de Deus precisa ser entendida. E há de fato, não digo eu, mas os dados sobre analfabetismo funcional, um mal silencioso que segrega milhares de pessoas” e impede uma apropriação do conhecimento bíblico sem a interferência de um mediador (pastor ou algo que o valha).



Trago alguns trechos da free style para a galera zoar, curtir, compartilhar e se edificar, lembrando que ela é dividida por capítulos e não por versículos. Mateus 1: “Livro da geração de Jesus, o cara...Esse tal de José era especial por que quando a dona Maria (sua noiva) apareceu dizendo que tava grávida do Espírito Santo, ele obviamente sentiu que isso cheirava a chifre...” Mateus 13 "Quem tem, vai ter mais. Quem não tem, vai perder até o pouco que tem. Eu conto essas histórias cabulosas pra essa galera ver e não enxergar; pra ouvirem mas não entenderem. O coração dessa galera tá duro. Ouvem o que eu digo e veem o que eu faço, mas não se importam. Por isso estou complicando as coisas, pra que não entendam e se convertam e eu tenha que os curar agora."

Outro trecho em Mateus 14: “’Dá comida pro povo vocês mesmos, ué’." Os discípulos dando uma de joãozinho sem braço, disseram que não tinha como, por que só tinham cinco pães e dois peixes. Então Jesus pegou os pães e os peixes e mandou a galera toda sentar. Olhando pro céu, abençoou aquele pouco rango e começou a repartir. Ele repartia com os seus seguidores e estes repartiam com o resto do povo. No final todo mundo comeu até virar os zóio e ainda sobrou um montão. Mais de cinco mil pessoas comeram o Mc Lanche Feliz que Jesus providenciou. Então mandou seus seguidores vazarem no barco, enquanto ele liberava a galera pra irem pra suas casas...” Ou Marcos 15: “O véu lá no templo que fazia separação entre o lugar onde Deus estava e o resto do mundo, se rasgou sozinho de cima pra baixo. E o guarda que viu Jesus morrendo, se borrou todo dizendo: ‘CARAAAAAAAAAAACA! MATAMOS O FILHO DE DEUS!’”



Como os autores defendem, a língua é viva e a palavra de Deus é eficaz para o propósito por Ele determinado, independentemente da linguagem adotada para comunicar a sua mensagem. Ela mantém o padrão de ser útil para ensinar, repreender, exortar e edificar. No meu caso, adoto pelo menos quatro traduções para estudo e leitura da Bíblia, incluindo a JFA, NVI, NTLH, Viva e King James. Cada uma me possibilita a oportunidade de refletir de forma diferente sobre a mensagem da graça de Cristo, mas todas cumprem a meta de me fortalecer no caminho da salvação. Boas-vindas dou à free style. Que muitos jovens dêem sonoras gargalhadas lendo-a. Certamente a semente brotará em terra fértil.
terça-feira, 12 de março de 2013
Posted by Fred Novaes

Rompendo a Barreira do Templo


A morte do Chorão jogou luzes sobre seu colega Rodolfo Abrantes, contemporâneo no rock dos anos 90 que pulou fora da barca furada dos Raimundos ao perceber que mergulhava num mar sem volta de drogas e de excessos sem fim. Rodolfo veio da morte para a vida após entregar sua vida para Jesus, causando certo escândalo no meio roqueiro nacional.

Contestado em todos os meios e até considerado louco, Abrantes precisou ralar muito e se despir do velho homem para conseguir em dez anos mostrar que não era mais um a se locupletar do mercado gospel com fins financeiros.

Rodolfo passou por cima de muitas dúvidas, firme na fé, até consolidar um trabalho artístico consistente ao mesmo tempo em que sedimentou uma carreira de conferencista para platéias de jovens sedentos por ouvir o seu testemunho. Tenho ouvido muitas entrevistas do rapaz , pesquisei seus discos e sua biografia e avalio que seu mergulho no Evangelho foi profundo e consistente, o que lhe conferiu espaço entre os jovens adoradores brasileiros que vislumbram mais do que uma carreira artística.

A mais recente notícia de Rodolfo é sobre seu trabalho de evangelismo em antigos roqueiros que sentem a necessidade de Deus, mas morrem de medo da religiosidade. Assim ele fez com seu amigo Chorão que, infelizmente, não conseguiu se desvencilhar das amarras que lhe prendiam e lhe davam uma falsa ideia de segurança. Espero que outros Rodolfos apareçam. Pessoas que sinceramente busquem a Cristo e se coloquem como servos para fazer o que lhe for determinado, seja no meio musical ou em outros trabalhos menos visíveis para a maioria.

O importante, com certeza, é a possibilidade de alcançar almas para Jesus que talvez de outra forma não pudessem ser resgatadas. O ministério é de cada um e que todos possam ser usados por Deus, da forma que Ele quiser. Porque tudo é Dele, por Ele e para Ele: "Por meio dele e por causa do seu nome, recebemos graça e apostolado para chamar dentre todas as nações um povo para a obediência que vem pela fé".(Romanos 1:5)

Como acréscimo, faço abaixo uma pequena análise da discografia do Rodolfo:





                                                             Santidade ao Senhor
                                                             Ano 2006
                                                             Faixas

                                                            01 - Minha prioridade
                                                            02 - Santidade ao Senhor
                                                            03 - Face a face
                                                            04 - Na videira
                                                            05 - Seja feita a tua vontade
                                                            06 - Isaías 9
                                                            07 - Nação santa
                                                            08 - Minha maior riqueza
                                                            09 - Ninguém por perto
                                                            10 - Contigo a mesa


Primeiro CD solo traz algumas canções que já se tornaram clássicos como Isaías 9 (gravada pelo Lucas Souza no CD Todos Juntos por Você 2010), Minha Prioridade, Santidade ao Senhor e Contigo a Mesa. É um mergulho no rock anos 90 com letras de um confessionismo pentecostal com muita sinceridade. Adoração direta em letras como em Santidade ao Senhor: "Meu dia melhor, Tu és o motivo, De eu me sentir, Cada vez mais vivo...Te chamo de Pai, Tu és tudo o que eu preciso, Rei eterno e meu Deus vivo...". Ou em Face a Face: "Formidável, rei dos reis, Cordeiro santo, Justo e puro, Perfeito, salvador, Só Jesus Cristo vive sempre..."





                                                                 Enquanto é dia
                                                                 Ano 2007
                                                                 Faixas

                                                                01 - Ao redor do Rei
                                                                02 - Enquanto é dia
                                                                03 - Além do que eu queira mostrar
                                                                04 - Tesouro de valor
                                                                05 - Ele vem pra medir
                                                                06 - Mar de vidro
                                                                07 - Ele não falha
                                                                08 - Saudades de casa
                                                                09 - As portas vão se levantar
                                                                10 - Lágrimas do céu


Enquanto é Dia é um trabalho que mostra amadurecimento em relação ao primeiro CD, mas não traz tantas músicas que pegaram como o primeiro, mas merece fazer parte do set-list do cantor. Destaque para Ao Redor do Rei, Ele Vem pra Medir e Mar de Vidro.  




                                                           Rodolfo Abrantes - Ao Vivo
                                                           Ano 2010
                                                           Faixas

                                                           01 - Ao redor do Rei
                                                           02 - Santidade ao Senhor
                                                           03 - Face a face
                                                           04 - Contigo à mesa
                                                           05 - Minha maior riqueza
                                                           06 - Enquanto é dia
                                                           07 - Mar de vidro
                                                           08 - Tesouro de valor
                                                           09 - Isaías 9
                                                           10 - Nação santa
                                                           11 - Minha prioridade


Esse álbum foi lançado em 2010, mas a gravação ocorreu em dezembro de 2007 no Citibank Hall. É a síntese dos dois primeiros discos capturada numa apresentação ao vivo, recheada de riffs de guitarra para emoldurar a energia pura de Rodolfo. Todos os clássico estão aí em versões ao vivo, com destaque para Isaías 9, com mais de 11 minutos de adoração energética ao Senhor e Santidade ao Senhor, com mais de nove minutos.  




                                                           R.A.B.T. Rompendo a Barreira do Templo
                                                           Ano 2012
                                                           Produção Ricardo Vidal

                                                           Faixas

                                                           01 - Nível Raso
                                                           02 - Uma Luz Que Não Pode Se Apagar
                                                           03 - Paz Aos Homens
                                                           04 - Nem Lua, Nem Sol
                                                           05 - Quando Céu Parou Pra Me Abraçar
                                                           06 - Até Que A Casa Esteja Cheia
                                                           07 - No Teu Jardim
                                                           08 - Há Um Lugar Pra Mim
                                                           09 - Vem Derramar
                                                           10 - Mate A Besta
                                                           11 - Castiçais de Ouro
                                                           12 - Parecido Contigo



Mais recente CD de Rodolfo mantém a pegada, com canções muito bem produzidas, perseverando a chama do tipo de rock que fez muito sucesso nos anos 90. As letras mantém a adoração direta ao Senhor, com o mesmo tom profético e apocalíptico que marcou as principais canções de seu ministério, sempre tendendo para uma visão pentecostal como nas faixas Mate a Besta (bem hardcore) e Castiçais de Ouro. O que se percebe neste disco também é uso de dubs e uma tendência para levadas reggaes, principalmente no baixo. Muito bom o trabalho, vale conferir.


Para encerrar, trecho do bate-papo de Rodolfo no programa Altas Horas, de Serginho Groismann. Confiram:


segunda-feira, 11 de março de 2013
Posted by Fred Novaes

Representante de quem?


Todo generalismo é pobre e corre o risco de causar injustiças. Assim é com a eleição de Marco Feliciano para a presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados como "representante" dos evangélicos nesta importante atividade parlamentar. Já faz alguns anos que o pastor Marco Feliciano é uma das criaturas mais questionadas entre os cristãos evangélicos diante de seus arroubos egocêntricos e da defesa de heresias que o fazem ser comparado ao desacreditado Benny Hinn.

Marco Feliciano, como Hinn, costuma ser atropelado pelas suas próprias palavras. Entre as principais heresias do pastor está a defesa do poder dos anjos para curar, consolar e proteger, além de ter dito num Congresso dos Gideões que Abraão, Isaque, Jacó, Moisés e outros líderes e patriarcas foram escolhidos por Deus para o cargo de CRISTO, mas fracassaram. Também imitou o herético Hinn ao dizer que pode passar um pouco da "sua unção", aos que atenderem ao apelo de ir à frente nos cultos.

Denominar batistas e semelhantes como "sorveterianos" por cultuarem sem gritaria é também, no mínimo, uma descortesia cristã. Da mesma forma quando diz que pentecostal que não faz barulho "está com defeito de fabricação" e incita os ouvintes a dar Glória a Deus, mostrando que para ele a adoração está longe de ser uma iniciativa espontânea e natural.

Enfim, por essas e por outras, além de sua guerrinha de vaidade no Twitter que lhe fez falar um monte de besteiras, Feliciano mostra que está longe de ser um representante dos evangélicos, muito menos dos cristãos. Ele até pode assumir a presidência da comissão na Câmara, mas que fique bem claro que ele não representa a maioria do povo cristão evangélico.

A crítica contra a posse de Feliciano ecoou até mesmo no meio evangélico. A Rede Fale publicou carta aberta contra a indicação do pastor http://redefale.blogspot.com.br/2013/03/carta-aberta-aos-irmaos-e-irmas.html e o pastor Hermes Fernandes (Cristianismo Subversivo) escreveu um excelente texto contra a escolha de Feliciano para a Comissão de Direitos Humanos http://www.hermesfernandes.com/2013/03/o-que-penso-sobre-indicacao-de-marco.html

No mais, fico com a palavra de Deus. "Pois pela graça que me foi dada digo a todos vocês: ninguém tenha de si mesmo um conceito mais elevado do que se deve ter; mas, pelo contrário, tenha um conceito equilibrado, de acordo com a medida da fé que Deus lhe concedeu". Rm 12:3
sábado, 9 de março de 2013
Posted by Fred Novaes

Machismo feminista não tem vez


O novo recorte midiático do movimento feminista global ridiculariza a condição feminina. Esse narcisismo lascivo do Femen travestido de movimento libertário é desnecessariamente machista. Num mundo onde o "bunda lelê" é o lugar comum, utilizar o nudismo panfletário como estratégia midiática parece "pegadinha do malandro" numa festa matinê. Tão frágil, inocente e vulnerável. Esse exército de periguetes com coturnos faria corar de vergonhas as corajosas mulheres que primeiro lutaram contra a opressão social em outros tempos.
Esse tipo de manifestação remete ao desejo de algumas mulheres de ser como os homens, naquilo que o sexo masculino tem de pior: promiscuidade, infidelidade e liberalismo a qualquer custo. Alguns podem dizer que os objetivos dessas feministas são nobres, como protestar contra o turismo sexual, tráfico de mulheres ou o que o valha. Mas pera lá, protestar contra a exploração sexual, nua, é como reclamar da violência dando tiros para cima. Uma incoerência gritante.
As menos radicais preferem manifestações como a Marcha das Vadias para dizer que as mulheres são donas de seus corpos e podem fazer o que bem entenderem, inclusive aborto, para garantir o direito de explorar os prazeres carnais sem culpa. Enfim, uma postura narcisista, egoísta e demasiadamente machista que se esconde em frase feitas como "fico nua para protestar, não para você gozar".
Em resumo, observo neste tipo de postura das novas mulheres moldadas pelo o que se convencionou chamar de mundo um desejo de alcançar retrógradas regalias masculinas que não têm vez em homens espirituais que abriram mão voluntariamente desse comportamento para viverem como novas criaturas em Cristo. Porque esse é o padrão para homens e mulheres que buscam algo mais profundo e intenso do que modas passageiras que futuramente jazerão bregas e cafonas, nas mudanças de estação.  
Neste Dia Internacional da Mulher, fico com a boa e velha palavra de Provérbios, lembrando a sabedoria popular que garante: panela velha é que faz comida boa. “A beleza é enganosa, e a formosura é passageira; mas a mulher que teme ao Senhor será elogiada. Que ela receba a recompensa merecida, e as suas obras sejam elogiadas à porta da cidade”. (Provérbios 31:30-31)
sexta-feira, 8 de março de 2013
Posted by Fred Novaes

Chorando se foi...

Cantor Chorão foi encontrado morto

Mais um artista se vai desta vida, sem Cristo, levado precocemente pela sua própria vaidade. Vencido pelo câncer espiritual do vício em drogas. Lamentável. O cantor Chorão se foi, mas centenas ou milhares de outros ficaram. Jovens literalmente perdidos que ‘zumbizoam’ (desculpe o neologismo) num universo de pensamentos, concepções, valores, ideias e ações que expressam uma verdadeira hostilidade e rejeição em relação a Deus.

Gente que perdeu o valor da vida, a real dimensão de sua existência, o sentido de eternidade. Pessoas cegadas pelo senso comum deste mundo, individualista, insano e cru. Que não conseguem ouvir a verdade e vivem transitando em torno de si mesmas, como moscas esquizofrênicas. Como ilustrou o apóstolo Paulo: “Nos quais o deus deste século cegou o entendimento dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus”. (2 Cor 4:4)

Mas neste meio existem salvos a serem resgatados. Gente como o Rodolfo Abrantes, contemporâneo do Chorão, que se reconheceu como filho de Deus e hoje contempla uma vida de liberdade, plena, nova criatura em Cristo. Que pôde romper com os padrões dos pensamentos dominantes que levam à escravidão da vida sem Jesus.

Paulo explica isso: “Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência; entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais”. (Ef 2:1-3)

Depois, não adianta “chorar” (desculpe o trocadilho) o leite derramado. Nem encomendar missa ou dizer que o artista foi tão importante para a MPB como o Cazuza ou o Renato Russo. O lugar que lhe espera é um sepulcro de choro e ranger de dentes. Sem direito a uma segunda chance. O inferno está de portas abertas. “Assim, pois, irmãos, somos devedores, não à carne como se constrangidos a viver segundo a carne. Porque, se viverdes segundo a carne, caminhais para a morte; mas, se, pelo Espírito, mortificardes os feitos do corpo, certamente, vivereis. Pois todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus”. (Rm 8:12-14) 
quinta-feira, 7 de março de 2013
Posted by Fred Novaes

O cristão e o trânsito

A questão da mobilidade urbana é um dos pontos nevrálgicos das grandes cidades que mais estressam e irritam seus moradores. Pauta imprescindível nos grandes debates sociais e políticos da atualidade, a problemática do trânsito também pode afetar a saúde emocional das pessoas, com reflexos negativos na vida espiritual de muitos cristãos.

Pois é. Até o trânsito está aí para provar a nossa fé.

A palavra de Deus é pródiga em recomendações sobre o controle da ira, estabelecendo o domínio próprio como fruto do espírito que precisa ser alimentado no relacionamento com Deus em oração e no conhecimento de sua palavra. De nada adiantam exercícios terapêuticos, yoga ou o que o valha para aprender a controlar a ira e raiva. Nenhum dos conselhos do Mestre Shifu (do desenho Kung Fu Panda) farão do cristão um Po domesticado, capaz de suportar todo tipo de intempérie emocional no trânsito como um zen-budista do templo incrustado no monte mais alto do longínquo Himalaia.



O que é homem precisa é de Deus, até mesmo no trânsito. Para que muitas tragédias sejam evitadas e possamos suportar todas as contrariedades de nosso cotidiano urbano como um verdadeiro cristão. Isso inclui não apenas dominar a raiva ou a ira nos momentos de estresse. Mas também observar nossas atitudes em relação ao próximo e às normas que regulamentam o trânsito na rua.

Assim, evitamos ou minimizamos situações limite que nos expõem ao risco de perder o controle. Se cada um não fizesse aos outros aquilo que não gostaria de receber, ou retribuísse a gentileza recebida, o trânsito fluiria muito melhor. Mas, infelizmente, ainda vigora a lei do mais esperto, do mais forte e o que não falta é o tal jeitinho brasileiro por avenidas e vielas nas cidades. Enfim, se preciso for, ore antes de tomar o volante para não fazer como o Sr Walker no desenho do Pateta (abaixo) que se transforma num monstro ao entrar em seu veículo.



 Para encerrar, mensagens do livro de Provérbios "Quem facilmente se ira fará doidices; mas o homem discreto é paciente", 14:17 . "Quem é tardio em irar-se é grande em entendimento; mas o que é de ânimo precipitado exalta a loucura", 14:29. "A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira", 15:1. E finalmente, uma solene recomendação do apóstolo Paulo: “Rogo-vos, como prisioneiro do Senhor, que andeis de modo digno da vocação com que fostes chamados, com toda humildade e mansidão, suportando-vos uns aos outros em amor”, Ef 4.1-2.
sábado, 2 de março de 2013
Posted by Fred Novaes

seguir pelo e-mail

críticas

populares

curtidas

Tecnologia do Blogger.

- Copyright © adora manaus -Metrominimalist- Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -