Archive for Dezembro 2011

490


Quem vê esse número no título e não é um assíduo leitor da Bíblia talvez nem desconfie que esses caracteres numéricos escondem um segredo que pode ser encarado como a chave para a felicidade plena. Não aquela felicidade passageira que sentimos quando ganhamos um presente ou conquistamos alguma coisa com muito sacrifício. Esses algarismos, utilizados meio como um senha para entender a profundidade das palavras de Cristo, representam exatamente o resultado das vezes que Jesus, em Mateus 18:22, disse a Pedro que deveríamos perdoar, quando indagado se era necesário perdoar sete vezes. “Eu lhe digo: Não sete, mas até setenta vezes sete.”

É obvio que ninguém precisa ficar contabilizando quantas vezes perdoou para chegar no limite de Cristo, até porque, em nossa vida, acho que não encontraremos tantas situações em repetição para oferecer o mesmo perdão. Quem dera fosse possível, porque liberar perdão é, na minha opinião, o desbrotamento e, ao mesmo tempo, o aprofundamento do amor verdadeiro em nós. Mas Jesus, que vê além das aparências e sonda todos os corações, sabia que Pedro estava, na realidade, fazendo um desafio, uma vez que as tradições dos rabinos falavam em perdoar até três vezes. Aguerrido e voluntarioso, Pedro fez esse "arrodeio" para questionar sobre o limite do perdão e, mais uma vez, foi surpreendido com uma resposta profunda e poética, diante do número lançado, possivelmente não por acaso.

Conforme devocional do pastor Olavo Feijó, sobre essa reflexão, o Espírito não economiza: o que Ele me ajuda é muito mais do que setenta vezes sete...A resposta de Jesus, em outras palavras, poderia ser "infinitas vezes" ou que deveríamos perdoar "sem limites" e não ficar presos superticiosamente a números de qualquer tradição religiosa. Ainda me aproveitando do saber do pastor Feijó, afirmo que nos nossos relacionamentos, o perdão deve ser consequência não do tamanho da ofensa do outro, mas da qualidade espiritual do nosso amor. Para a pessoa sem Cristo é quase impossível perdoar. Quem me dá forças para perdoar é a ação do Espírito do Senhor em minha vida.

Muito linda e profunda essa análise. Como disse, é a chave da plenitude de felicidade. Mas como chegar até isso? Dimimuindo-se como pessoa, no sentido de suas próprias vaidades e idiossincrasias, e multiplicando-se os dons do Espírito em nós. É debaixo de muita oração e intervenção do Espírito. Porque nós somos humanos, pecadores por princípios, e vaidosos ao extremo. Mas Deus perdoou tantas coisas ao nos conceder o dom gratuito da Salvação em Cristo, que qualquer ofensa que outro ser humano possa praticar contra nós, é irrisória, em comparação à Sua graça. Perdoar é o mínimo que podemos fazer. Se o teu coração te denuncia, ore, ore e peça a Ele aquilo que parece impossível. Libertos da mágoa, da raiva e do rancor e de todo tipo de sentimento semelhante a pessoa tira quilos e quilos das costas. Caminhar passa a ser muito fácil e prazero ao ponto de dar vontade de subir ao altos montes e dizer: eu te amo Paizinho e sair pulando de alegria, só porque Ele existe.

É o que eu tinha a dizer nesta manhã, inspirado pelo Espírito que habita em mim. É o mesmo que está em você, meu amado, basta colocar-se disponível para ouvi-lo. Nisto precisamos refletir e praticar todos os dias, porque somos humanos e vulneráveis ao pecado. Aproveito para pedir perdão a todos que magoei neste ano de 2011 e dizer que já perdoei a todos que me tenham ofendido para entrar 2012 com nada na minha mochila. Boas festas para todos e concluo com mais um ensinamento bíblico:
"Porque, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem obras é morta".
Tiago 2: 26
sábado, 24 de dezembro de 2011
Posted by Fred Novaes
Tag :

Falar de Jesus é fácil, outra coisa é conhecê-lo

Então é Natal...e o Ano Novo tambéeeeemmm...a música, todo mundo conhece. Alguns conhecem tanto que não suportam mais ouvi-la nas lojas que vendem a felicidade natalina de muitas famílias. Mas, nesta época de celebração do fim de ano, também foi convencionado pela Igreja Católica o 25 de dezembro como o dia do nascimento de Jesus. Data que não existe na Bíblia. Mas tudo bem, falar de Jesus para o crente é um exercício diário mesmo, não custa nada dar uma forcinha para que as pessoas que não praticam a fé ( e isso é possível?) também se alimentem dos ricos ensinamentos do Mestre.


Mas falar de Jesus no período de balanço de fim de ano em meio a uma overdose de papais noéis, bolas multicoloridas e árvores de plástico é muito fácil e conveniente. Mas conhecê-lo, de fato, um exercício que deveria ser para todos é, infelizmente, uma iniciativa de poucos. Em 1 João 2:3 e 4, diz assim a Palavra da Verdade: "E nisto sabemos que o conhecemos; se guardamos os seus mandamentos. Aquele que diz: Eu o conheço-o e não guarda os seus mandamentos é mentiroso e nele não está a verdade."

Porque, nesta época, traficante, prostituta, devassos de toda espéciei, avarentos, gananciosos, roubadores, ladrões, invejosos e gente de todo tipo diz que celebra Jesus comendo um delicioso Tender e, geralmente, brindando essa festa com alguma dose de bebida alcoólica. O que estão celebrando? Estão, para ser franco, no meio de alguma festa pagã (talvez no aniversário do Papai Noel), zombando do sacrifício de Cristo no Calvário.

Porque no conhecer de Jesus o mais importante não é o nascimento, mas a morte e ressurreição que muitos não gostam nem de ouvir falar neste dia "porque hoje é festa". Mas a festa maior para aquele que crê advém da certeza de que Jesus tomou para si a chave da morte e da vida eterna e nos ofereceu o Consolodar para aguardar a sua volta. Este é o motivo diário de celebração porque, a partir dessa crença, temos a segurança de nossa salvação. A maioria, nesta festa de Natal, está mesmo é celebrando o solstício ou o equinócio, que eram comemorados em rituais pagãs nesta época do ano e que foram incorporados pela Igreja Católica, como o aniverário de Jesus, para ampliar sua densidade de seguidores.

Ainda em 1 João 3: 24, é revelado assim o conhecimento de Jesus: "E aquele que guarda os seus mandamentos nele está, e ele nele. E nisto conhecemos que ele está em nós: pelo Espírito que nos tem dado". Porque Jesus não se deu a conhecer para quem pretende prosseguir levando sua vida segundo a sua própria vontade, refém dos desejos da carne e pregando a soberda da vida (quando declaramos nossa autossuficiência e independência aos mandamentos e somos nós os condutores do nosso destino). É muito fácil se dizer cristão assim. "Eu já aceitei Jesus", se apressa em dizer, o "simpatizante" do Senhor.

Não estou preocupado em agradar, com esse texto, ao possível leitor que não se declara Servo do Senhor. É tudo muito bonitinho os desejos de Feliz Natal e próspero Ano Novo, nesta época, quando muitos estão pensando, na verdade, é em viagens de férias, curtição e descanso. Mas desculpe meu amigo, isso não é celebrar Jesus. A farta exploração comercial criando uma multidão de endividados também não é de Jesus, tenha certeza. Causando tristeza naqueles que não têm condições de comprar nem uma lembrancinha para seus familiares. Não! Isso definitivamente não é de Jesus.

Termino por aqui, mas é preciso se aprofundar muito mais na experiência cristã para conhecer, de verdade, o nosso Salvador. Concluo com uma reflexão bíblica extraída do belíssimo livro de 1 João:

"Se alguém diz : Eu amo a Deus e aborrece a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus a quem não viu? E dele temos este mandamento: que quem ama a Deus, ame também seu irmão. "
1 João 4: 20 e 21
sexta-feira, 23 de dezembro de 2011
Posted by Fred Novaes
Tag :

Promessas na Babilônia


Acompanhei, um pouco atônito, as críticas sobre o fato de a Rede Globo ter dado espaço à música de adoração a Deus (denominada popularmente de gospel) num horário considerado nobre para o domingo. Confesso que não tive a mesma desconfiança de muitos irmãos nas redes sociais e em muitos blogs cristãos espalhados pelo país. Considerei sim mais uma abertura de espaço para evangelismo como o Senhor determinou.

O principal argumento dos críticos era de que a Globo estaria interessada em benefícios comerciais e nem um pouco preocupada em falar de Jesus com o tal Festival Promessas. Utilizou até mesmo Serginho Groismann como apresentador, o homem do bordão da vida inteligente na madrugada. Tudo bem. Não discordo disso, mas uma pergunta fica no ar: e daí?

A Globo é uma empresa, apelidada de Vênus Platinada, que manda e desmanda no país; dita moda e comportamentos e faz a cabeça de milhões de brasileiros. Por que não usar todo esse potencial para divulgar a mensagem bíblica, expressa em todas as canções apresentadas? Considero decorrentes de excesso de pudor as críticas contra a utilização do espaço. Ninguém que esteve ali falou algo que desvirtuasse as palavras do Senhor.

Todo mundo sabe que a Globo, através da Som Livre, acompanha a indústria fonográfico e já de há muito percebeu que o público evangélico é o que menos pirateia CDs e DVDs e encara, muitas vezes, a compra de um material de doutrinação como uma oferta ao Senhor. É lógico que os empresários estão de olho nisso, mas eu continuo perguntando e daí?

Alguns falaram sobre a concorrência com a TV Record que seria um dos motivos para investir na seara da rival. Mas uma vez pergunto: e daí? A Record também tem mergulhado cada vez mais no mercado secular, investindo em novelas e eventos esportivos. Bussiness. As empresas vivem de seus negócios e eles são movidos pelo dinheiro. Não dá para ser inocente e pensar que é possível se livrar dessa engrenagem.

Outra questão tem a ver com fato de encarar o show business evangélico como algo maligno, muitas vezes crendo que os shows evangélicos afrontam o nome de Deus. Exagero!! É minha opinião. Acho que o Senhor se utiliza de canais e meios disponíveis para levar sua evangelização para todos os povos e gentes. Não acho que cantores evangélicos comercializam a fé fazendo da adoração ao Senhor apenas um bom negócio. Tenho convicção que ganhar dinheiro não é pecado. Seja desenvolvendo uma atividade simplesmente comercial ou adorando e levando outros a adorar o Senhor. Desde que sejam respeitados os princípios éticos de todo cristão: não enganando ninguém, não subvertendo impostos e explorando funcionários, dentre outros mecanismos utilizados pelos empresários para ganhar giro de capital.

A crítica sobre fazer do culto ao Senhor um entretenimento que tornaria vã as suas palavras considero um argumento até infantil. Ou então vão querer cultos em latim e cheios de prosopopéias distantes dos nossos tempos que servem apenas para afastar as pessoas que vivem nossa realidade, de desenvolvimento tecnológico e de relações humanas potencializadas pelos meios virtuais. Enfim. Acho até perigoso essa divisão se levantando no nosso meio com tanta desconfiança e teoremas de conspiração.

Como sugestão, recomendo o blog da Ana Paula Valadão, uma das cantoras presentes ao Promessas. Nele, seu esposo Gustavo expõe um texto intitulado “A Rede Globo, a Babilônia e a Pérsia” em que contextualiza esse momento de ingresso da adoração ao Senhor na Globo como a estratégia política de Ciro que, após a queda da Babilônia, utilizou e incentivou o regresso dos judeus para a Palestina, porque queria ter aliados políticos a fim de manter o seu império. Para isso, auxiliou até mesmo na reconstrução do templo em Jerusalém. Essa história todos sabem, eu acho. Enfim...leiam, analisem, reflitam e depois opinem.

http://www.diantedotrono.com/blogdaana/

Termino com uma citação da Palavra da Verdade:

“E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura”.
Marcos 16:15
terça-feira, 20 de dezembro de 2011
Posted by Fred Novaes
Tag :

@EscolhiEsperar: Um novo olhar sobre o sexo


Quando analisamos os descaminhos da sociedade atual, mergulhada numa barbárie pós-moderna exemplificada diariamente pelo noticiário dos jornais, podemos e devemos refletir sobre a necessidade de novas respostas para questões corriqueiras do dia-a-dia. O sexo, por exemplo, é uma dessas questões do nosso cotidiano que merecem uma reviravolta comportamental. Uma nova postura para um novo tempo.

Neste sentido, o movimento pró-virgindade como “Eu escolhi esperar” que vem ganhando força nas redes sociais é uma alternativa interessante. Ele surgiu nas igrejas evangélicas, mas atrai pessoas de outras religiões, como os católicos. A ideia do projeto foi do pastor Nelson Júnior, 35, e ganhou reverberação nas principais redes de relacionamento. São mais de 72 mil seguidores no Twitter (@EscolhiEsperar) e 135 mil fãs no Facebook.

Um dos pontos positivos é mostrar ao jovem ou mesmo ao adulto que optar pelo resguardo do sexo não é uma coisa do outro mundo. Não é atitude de anormal ou de nerd (se bem que os nerds estão na moda hoje, mas eu, por exemplo, nunca tive nada contra os estudiosos, rsrs). É uma simples questão de opção. Assim como as pessoas podem optar pelo Vasco ou pelo Flamengo e por aí vai.

Mas a opção pela virgindade é também uma alternativa bíblica para os não consagrados no casamento que traz no seu íntimo as promessas expressas na Palavra da Vida para aqueles que seguem os seus mandamentos. Deus nos quer puros e santificados, como um vaso ornado para receber o azeite puro do Espírito Santo. É um sacrifício na carne para fortalecer o espírito. É simples assim. E quem se mostra sensível para perceber a unção do Consolador sabe que vale a pena e o sacrifício torna-se numa atitude de grande prazer.

Até porque atualmente o sexo e o dinheiro são os principais instrumentos mundanos utilizados por satanás para dominar a humanidade. A promiscuidade, a volúpia, a infidelidade e outras taras, além da ganância, a avareza e a inveja estão na raiz das principais contendas cotidianas. Basta observar direitinho. Precisamos deixar de ser dominados por essas forças e mostrar que somos senhores de nossos corpos e nossos destinos. Termino com uma citação bíblica:

"Porque, assim o que santifica, como os que são santificados, são todos de um; por cuja causa não se envergonha de lhes chamar irmãos",
Hebreus 2:11
segunda-feira, 19 de dezembro de 2011
Posted by Fred Novaes
Tag :

Antídoto à fúria


Novo fenômeno nas redes sociais, a campanha pela punição da enfermeira que agrediu e matou seu cãozinho yorkshire mostra os efeitos de um "dia de fúria" na vida de qualquer pessoa que não busca se resguardar e prevenir desses excessos. Não entro aqui no coro da maioria que se excede na comoção pela dor do cãozinho e deseja até a morte da moça que, segundo vizinhos e amigos, é uma pessoa calma e tranquila.

Nunca podemos nos esquecer do desafio de Jesus aos pecadores (todos nós, não esqueçam!). Em seu perfil no Twitter, ela se define como uma pessoa que ama seu marido, seus filhos e seus cãozinhos. Não vou usar aqui a atitude extrema da moça para tentar desmenti-la. Me sentiria meio covarde por isso. Prefiro dizer que não tenho elementos suficentes para emitir uma opinão.

Mas minha intenção aqui não é tentar emitir um juízo sobre a enfermeira. Até porque um só é Legislador e Juiz, segundo a palavra da verdade. Quero sim lembrar aos desavisados, inclusive no meio da igreja, do cuidado e do zelo que devemos ter para não sermos induzidos à cólera e ao descontrole, muitas vezes por pequenas questões do dia-a-dia. Quantas mortes por motivo fútil não vemos diariamente nos noticiários. No trânsito em reuniões com amigos e outros eventos sociais corriqueiros.

Meu objetivo aqui neste espaço é lembrar que todos nós estamos sujeitos a fazer o que aquela moça fez. Para evitar isso, precisamos estar revestidos. Resguardados sob as asas do Senhor. Porque temos um inimigo em nosso derredor que ruge como uma fera à espera dos fracos e indefesos para matar, roubar e destruir. Talvez a vida social dessa moça tenha sido destruída por um excesso cotidiano. Mas também temos um Advogado fiel, se reconhecermos nossa culpa e demostrarmos arrependimento verdadeiro. A oração e a adoração a Deus são armas disponíveis para combater e evitar a ira e o descontrole.

Termino com a reflexão de Jesus no Sermão da Montanha:
Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; mas qualquer que matar será réu de juízo.
Eu, porém, vos digo que qualquer que, sem motivo, se encolerizar contra seu irmão, será réu de juízo; e qualquer que disser a seu irmão: Raca, será réu do sinédrio; e qualquer que lhe disser: Louco, será réu do fogo do inferno
".
Mateus 5:21-22
domingo, 18 de dezembro de 2011
Posted by Fred Novaes
Tag :

Partícula de Deus


Físicos de todo o mundo estão em polvorosa na expectativa de encontrar a chamada "partícula de Deus", conhecida no meio como bóson de Higgs. Apontada como a mais nova esperança dos ateus para confirmar a tese da ausência do Criador para a origem do mundo, o elemento é uma tentativa de decifrar o enigma que justifica o fato de a matéria ter massa. Hummm. E daí?

A suposta descoberta científica é só mais uma entre tantas elaborações humanas para justificar a soberba da criatura diante das manifestações da criação divina. Manifestações que se fazem presentes no íntimo de cada um que se reconhece como filho e tem, nesta percepção, um encontro que suplanta qualquer exercício da fértil racionalidade humana. Esse reconhecimento pode ser descrito como o encontro de um encaixe perfeito de um parafuso com sua engrenagem. Quem sente, se realiza. Quem aguarda razões e contrarrazões fica a ver navios. É simples assim.

Quem sabe um dia o homem deixe de gastar bilhões de dólares com aceleradores de partículas, naves espaciais e guerras e busque tão somente a paz que se encontra dentro de si mesmo. Alguns podem achar a alternativa simplista, simplória ou até alienante. Questão de perspectiva. Sob o prisma daquilo que quero para mim, é o que me basta e ponto. Para terminar esta brevíssima análise, me amparo na Bíblia:

“Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém.” (Romanos 1:25)
quarta-feira, 14 de dezembro de 2011
Posted by Fred Novaes
Tag :

seguir pelo e-mail

críticas

populares

curtidas

Tecnologia do Blogger.

- Copyright © adora manaus -Metrominimalist- Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -